20 dezembro 2013

Sobre sentir (versão completa)

A ideia desse post era inicialmente postar em um projeto meu sobre Reiki. Só que, como explicado abaixo, a ideia cresceu, e acabei criando esta versão que segue.

Estou há algum tempo querendo escrever sobre sentir. As pessoas estão procurando cada vez menos sentir e ter mais certezas baseadas na racionalidade. É uma desenfreada busca por uma certeza absoluta e tangível, que, se dá certo, prende e inibe. Então eu leio em um fórum de Wicca sobre pedir um sinal aos deuses para ter certeza que são eles que estão falando com você. Eu já mastigava essa ideia há alguns meses, e agora a vomitei com parte da minha racionalidade.


Lotus Flower Candle Holder, por Alex Borland


Sinceramente, pedir um sinal aos deuses de que são eles mesmos que estão falando para mim é uma puta falta de fé. É como se a pessoa não confiasse em si mesma, na sua intuição, muito menos nas divindades com quem relaciona. É pedir selo Friboi quando o bife está na mesa. Penso que quando a pessoa pede esse "sinal", ela está jogando sua fé no lixo. E Fé não é algo de uma religião só: quem cultua uma divindade (ou várias), supostamente deveria ter fé nela (ou nelas). É ter aquela certeza de que a divindade te ouviu e falou com você.

Aí tem a questão das baixas entidades que se passam por deuses transmitindo informações falsas. É onde entra o sentir: você sente que é a divindade, você sabe que é a divindade, você tem fé que é ela. Olha como as coisas facilitam: se você está ligado à frequência da divindade, a sua egrégora, é a divindade que irá responder, ou um mensageiro dela. Quando você não está ligado, quando você não confia na sua intuição (isso demanda tempo), realmente aparecerão seres que irão te atrapalhar.


Conhecer é fundamental, estudar também. Mas nunca deixe de lado sua intuição porque no seu livrinho tá outra coisa, ou porque com outra pessoa aconteceu de forma diferente. Muitos livros falam do cordão de prata que liga o corpo astral com o corpo físico. Mas imagina a bagunça que seria no astral se esses cordões se enrolassem! Alguns estudos mais recentes discordam da existência do mesmo, e eu mesma conheço pessoas que não veem esse fio ligando-a ao corpo físico. Descrevem-me como uma transferência de consciência para outro corpo, processo delicado com o risco de morte física ou possessão por outros seres.

As pessoas correm demais atrás de conhecimento, querem saber como é o outro lado, mas não o sentem. Que triste! Se confiassem mais em si mesmas, veriam outros mundos descortinarem-se diante de seus narizes. Percebi que as ficções ensinam mais sobre o outro lado do que os livros especializados, porque há sentimento: o autor fantástico, mágico, vê, sente, e talvez até se relacione com os outros seres melhor do que aquele que fica teorizando, analisando, e ignorando o que considera "sem sentido".

Sentir é fácil ao mesmo tempo que não é. Leva tempo, muito tempo. A pessoa tem que aprender a ter paciência e seguir sua vida enquanto isso. Exercícios até podem ajudar, só que eles exigem disciplina: uma quantidade determinada por dia, aumentando aos poucos conforme melhora. Você vai sentir que melhora, você vai sentir o que está acontecendo, você vai sentir o que deve ser feito. Não me perguntem como, porque não sei (e isso é fé: eu só sei que funciona. Eu sei que acontece). Eu sinto que acontece, eu sinto o que deve ser feito - mais além, eu apenas faço, sem saber como.

Algumas coisas acontecem sem uma operação mágica determinada (abrir círculo e afins). Com a intenção as coisas acontecem de apenas um único gesto. Isso pode ser perigoso: você pode fazer coisas boas e ruins, conforme seu juízo, sua frequência. Você tem que se formar como pessoa, seus valores, seu sonhos, suas visões (dos mundos). E o principal: deixe-se levar pelo ritmo do Universo, da Natureza. Deixe ela te levar, deixe ela ditar o ritmo. Para mim, isso é mais importante do que celebrar sabás, e isso me permitiu celebrar os esbás de forma muito mais natural.

Enfim, essa é basicamente minha nova forma de fazer magia. Depois desse ano, minha visão de mundo tornou-se outra, minhas ações mudaram. Sou grata a todos que permitiram que isso acontecesse, inclusive a mim mesma. Aos poucos deixo de desejar as coisas: elas simplesmente me vêm porque eu preciso. Essa é minha perspectiva para o ano que vem. Obrigada por acompanharem meu blog e lerem o que eu escrevo. Eu amo escrever, e escrevo para vocês.

5 comentários:

  1. gente, que legal essa versão wicca do mundo, eu adoro gente que participa de wicca e talzzzz *-* entendo a sua questão da fé e quando estamos numa religião/culto/qualquer coisa desse tipo acabamos ao longo do tempo tendo novas visões e se posicionando em novas tendências ou até mesmo criando a nossa. são legais esses pontos de vista variados :3 e como você disse, não acreditar que é o deus falando contigo não é sinal de fé.

    beijos! http://sugar-dance.org/blog

    ResponderExcluir
  2. eu adoraria ver um ritual wicca, sério!

    tem post novo no blog aeeeew

    Beijos! http://sugar-dance.org/blog

    ResponderExcluir
  3. Quero um dia encontrar isso. É meio triste a gente não ter fé em nada (nem em si mesmo). Triste mesmo.

    Bom ano para todos nós (:

    ResponderExcluir
  4. Oi amore =D. Mostrei seu post para minha irmã e ela gostou xD algumas coisas do que você disse encaixou no que ela precisava.
    No caso dela é o sentir e saber se é ou não coisa da cabeça dela.
    Bjoca e feliz ano novo ^^/ e que você receba tudo o que precisa do universo ^^/

    ResponderExcluir
  5. galeria do rock é vida, pena que é mó cara UHAUHAUHAUHUHA

    Beijos! http://sugar-dance.org/blog

    ResponderExcluir